sáb. out 1st, 2022

As Forças de Autodefesa do Japão começaram a administrar as doses de reforço da vacina para o coronavírus em um centro de grande escala em Tóquio.

O local foi inaugurado na manhã desta segunda-feira em um prédio governamental localizado no bairro de Otemachi, em Tóquio, especialmente para oferecer a terceira dose para pessoas que desejarem receber o reforço.

Cerca de 4.300 horários de reserva, alocados ao longo de seis dias até o sábado, foram ocupados em torno de 9 minutos após as autoridades terem aberto o período de reserva.

Visitantes que chegam ao centro primeiro respondem a um questionário administrado por médicos das Forças de Autodefesa e, então, entram nas cabines onde receberão a vacina. Enfermeiras checam os nomes e fazem perguntas sobre seu estado de saúde antes de realizar a inoculação.

Pessoas com 18 anos de idade ou mais são elegíveis a receber o reforço com a vacina da Moderna no local. Apenas é necessário que tenham recebido o cartão de vacinação para a terceira dose e que tenham completado seis meses desde que foram inoculados com a segunda dose.

O número de horários de reserva será aumentado para 2.160 por dia a partir da próxima segunda-feira. As reservas podem ser feitas através de um site criado especificamente para este centro. Os horários para a semana de 7 a 13 de fevereiro serão disponibilizados para reserva nesta segunda-feira, 31 de janeiro, às 18 horas.

As Forças de Autodefesa também começarão a ministrar a vacina em Osaka na próxima segunda-feira no Edifício Yagi, no distrito de Chuo. O plano é vacinar até 960 pessoas por dia e o sistema de reserva será aberto no dia 4 de fevereiro.

O Ministério da Defesa acredita que as pessoas que tentem ligar para reservar horário encontrarão dificuldades para serem atendidas e está pedindo que optem por utilizar o sistema online.

No Japão, apenas 2,7% da população na última sexta-feira havia recebido a terceira injeção, segundo o governo, uma proporção muito menor do que na Grã-Bretanha, França e Alemanha, onde mais de 50% da população recebeu vacinas de reforço.

Foto reprodução: Kyodo