seg. jan 24th, 2022
Japão confirma 1º caso de variante Omicron

O Japão confirmou seu primeiro caso da nova variante Omicron do coronavírus, disseram autoridades do governo na terça-feira enquanto os cientistas corriam para determinar o quão transmissível é e se pode escapar da imunidade de vacinas ou infecção anterior.

Um homem na casa dos 30 anos foi encontrado infectado com a cepa fortemente mutada, relatada pela primeira vez pela África do Sul na semana passada, depois de chegar da Namíbia no aeroporto de Narita, perto de Tóquio, no domingo, disse o secretário-chefe do gabinete, Hirokazu Matsuno, em uma entrevista coletiva.

A Organização Mundial de Saúde designou a variante do Omicron como uma “variante de preocupação”, alertando que é provável que se espalhe globalmente e representa um risco “muito alto”.

Japão confirma 1º caso de variante OmicronUma grande tela na famosa travessia no distrito de Shibuya, em Tóquio, em 30 de novembro de 2021 exibe uma reportagem do Japão confirmando seu primeiro caso de infecção pela nova variante Omicron do coronavírus. (Kyodo)

A cepa já foi confirmada em vários países da África e da Europa, além de Canadá, Austrália, Israel e Hong Kong.

O homem testou positivo para o coronavírus na chegada e as amostras estavam sendo examinadas no Instituto Nacional de Doenças Infecciosas para confirmar se era a variante do Omicron, disse Matsuno, o porta-voz do governo.

Cerca de 70 pessoas que estavam no mesmo voo que o homem, um diplomata namibiano, tiveram resultado negativo e estão sendo tratadas como contatos próximos, disse o ministro da Saúde, Shigeyuki Goto, a repórteres.

O homem, que atualmente está em quarentena em um centro médico, foi totalmente vacinado, disse Goto.

O primeiro-ministro Fumio Kishida, que convocou uma reunião de emergência com membros do gabinete, disse aos funcionários do governo para coletar informações e informar o público de uma maneira fácil de entender, de acordo com uma pessoa que participou das negociações.

Matsuno disse que foi instruído por Kishida para chefiar uma nova força-tarefa do governo para lidar com a variante Omicron.

As preocupações com a variante levaram vários países a restringir as viagens.

O Japão fechou suas fronteiras para a chegada de estrangeiros na terça-feira e exige que os cidadãos e estrangeiros com status de residente retornando de áreas de alto risco passem até 10 dias de seus períodos de isolamento de 14 dias em uma instalação designada pelo governo.

Chegadas no exterior nos principais aeroportos do Japão expressaram preocupação com a rapidez com que a nova variante estava se espalhando pelo mundo.

“Achei que fosse apenas uma questão de tempo (até que entrou no Japão), mas não esperava que se espalhasse tão rápido”, disse um homem de 50 anos no aeroporto de Narita que acabara de voltar de uma viagem para casa em Coreia do Sul.

Hidemasa Kuribayashi, 51, que chegou ao Aeroporto Internacional Kansai de Osaka vindo das Filipinas, concordou com o restabelecimento de períodos de quarentena mais longos, pois “ainda não sabemos que tipo de vírus é a cepa Omicron”.

Kishida prometeu tomar todas as precauções para “evitar o pior cenário” ao anunciar as medidas, que ocorrem apenas três semanas depois que o Japão facilitou as regras de entrada para empresários, estudantes internacionais e participantes de seu programa de estágio técnico.

O ministério da saúde disse que o homem namibiano não apresentou sintomas no aeroporto, mas desenvolveu febre na segunda-feira, enquanto dois parentes que viajavam com ele tiveram resultado negativo e estão em quarentena em uma instalação designada pelo governo.

O surgimento da variante Omicron ocorre em um momento em que o Japão está enfrentando uma queda nas infecções. Apenas 132 novos casos de coronavírus foram relatados em todo o país na terça-feira.

A onda anterior de infecções, causada pela variante Delta neste verão, atingiu o pico de mais de 25.000 casos por dia.