seg. jan 24th, 2022
BioNTech confiante de que atenderá a demanda da vacina COVID-19 do Japão

As empresas farmacêuticas Pfizer e BioNTech divulgaram na quinta-feira os resultados de um ensaio clínico de sua vacina de reforço contra o coronavírus. Segundo os laboratórios, o estudo mostrou que uma terceira dose restaura a eficácia da vacina para nível de 95,6%.

Cientistas de ambos laboratórios descobriram que a proteção com duas doses de sua vacina se enfraquece dentro do período de seis meses. Agências reguladoras europeias e dos Estados Unidos já haviam autorizado o reforço da inoculação para pessoas com 65 anos de idade ou mais, para os que têm risco de ficar gravemente enfermos e para profissionais que são expostos ao vírus devido ao trabalho.

As empresas testaram 10 mil pessoas com idades de 16 anos ou mais. Metade dos participantes recebeu o reforço. A outra metade recebeu placebo. Os resultados mostraram que a terceira dose restaurou o nível de proteção para o mesmo que é atingido após a segunda dose. Com isso, os participantes foram muito menos propensos a desenvolver sintomas de Covid-19, inclusive os causados pela altamente contagiosa variante Delta.

Os resultados dos ensaios clínicos foram apresentados um dia depois de os reguladores americanos terem aprovado reforços das vacinas desenvolvidas pela Moderna e Johnson & Johnson.