qui. out 28th, 2021
Primeiro ministro promete fortalecer o sistema médico para pacientes COVID

O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, disse no sábado que fortalecerá o sistema médico do país em meio à pandemia de coronavírus, aumentando o número de leitos designados para pacientes com COVID-19 em hospitais públicos.

Falando a repórteres após sua primeira visita a um hospital que trata pacientes COVID-19 após assumir o cargo na segunda-feira, Kishida disse que o governo deve se preparar para o “pior cenário” quando se trata de intensificar o sistema médico.

Kishida está considerando aumentar o apoio financeiro aos hospitais públicos em troca da cooperação dos hospitais com o pedido do governo para receber pacientes com COVID-19 durante emergências.

De acordo com pessoas próximas ao primeiro-ministro, ele quer financiar hospitais, já que muitos profissionais de saúde pediram demissão durante a pandemia.

“É importante criarmos um ambiente para que as pessoas no trabalho … se sintam tranquilas. Acho que também devemos produzir resultados em termos de renda”, disse Kishida depois de falar com um grupo de profissionais da área médica no Metropolitano de Tóquio Hospital Bokutoh no Bairro Sumida da capital.

Em seu primeiro discurso político no parlamento na sexta-feira, Kishida disse que deseja se comunicar com o público sobre várias questões.

“Quero visitar muitos lugares diferentes, ouvir as pessoas e trabalhar para que isso se reflita na política”, disse ele.

Embora o Japão tenha visto um declínio constante nos casos de COVID-19 após registrar um número recorde de infecções no final de agosto durante a última onda do vírus no país, as preocupações permanecem sobre outro aumento.

No sábado, o país registrou 777 casos de infecção, incluindo 82 em Tóquio, o menor número diário deste ano. O número diário nacional subiu para mais de 25.000 em agosto.

Durante a quinta onda deste verão, os hospitais ficaram lotados, forçando muitos pacientes a se recuperarem em casa.

Durante sua campanha para a eleição de 29 de setembro para a liderança do Partido Liberal Democrata, no poder, Kishida disse que reduzirá a zero o número de pacientes com COVID que não podem receber tratamento médico.