sáb. dez 4th, 2021
Três candidatos à primeiro-ministro apoiam que os idosos permaneçam mais tempo empregados

Três dos quatro candidatos ao próximo primeiro-ministro do Japão incentivaram na quinta-feira mais idosos a permanecer no emprego e contribuir com o sistema de previdência pública em uma tentativa de garantir sua sustentabilidade em meio ao rápido envelhecimento da população do país.

O ex-ministro das Relações Exteriores Fumio Kishida, a ex-ministra de assuntos internos Sanae Takaichi e a ex-ministra da igualdade de gênero Seiko Noda disseram em uma reunião online para a eleição presidencial de 29 de setembro do Partido Liberal Democrático, atualmente no poder, que mais pessoas com 65 anos ou mais devem continuar a trabalhar e pagar prêmios de pensão.

Falando na reunião envolvendo cerca de 100 cidadãos online, Takaichi disse que o governo pode obrigar as empresas a continuar empregando pessoas até que completem 70 anos.

Kishida disse que a idade não deve ser o único critério que divide trabalhadores e aposentados. “Gostaria de idosos com vontade e capacidade para se juntarem como apoiadores” do sistema, afirmou.

Noda disse que o declínio da taxa de natalidade está por trás das crescentes preocupações sobre o futuro do sistema previdenciário e que é vital aumentar o número de pessoas que assumem o sistema.

Dados do governo mostram que o número de pessoas com 65 anos ou mais totaliza uma estimativa de 36,40 milhões, representando 29,1% da população total do Japão, o nível mais alto já registrado.

Enquanto isso, o quarto candidato, o ministro da vacinação Taro Kono, não entrou em detalhes, apenas dizendo que é importante que o governo mostre várias opções e discuta com a população após apresentar dados sobre o sistema previdenciário do país.

“O que devemos defender é nossa vida de aposentadoria no futuro, não o sistema de aposentadoria em si”, disse Kono.

Kono tirou dúvidas de seus rivais depois de propor a criação de uma porção mínima garantida da pensão pública que seria totalmente financiada por receitas fiscais em vez de prêmios.

Kono ainda não mostrou o tamanho da fonte fiscal da proposta e a margem de um possível aumento do imposto sobre o consumo para esse fim.

Kishida, em contraste, disse que não aumentaria o imposto sobre o consumo dos atuais 10% por cerca de 10 anos.

A votação do PLD irá virtualmente decidir o sucessor do primeiro-ministro Yoshihide Suga, já que o partido atualmente controla a Câmara dos Representantes, a poderosa câmara baixa do parlamento.

Na sessão de 90 minutos de quinta-feira, os quatro candidatos responderam a perguntas dos cidadãos sobre questões que vão desde a pandemia do coronavírus, políticas econômicas e fiscais até a transformação digital da sociedade e da seguridade social.

Dada a situação sobre a pandemia de COVID-19, o PLD deve realizar as reuniões em formato virtual por quatro dias até o domingo.

Na sexta-feira os quatro candidatos devem se concentrar em diplomacia, segurança nacional, meio ambiente e energia, e redução de risco de desastres, resiliência nacional, promoção do turismo, bem como agricultura e pesca no sábado.

No domingo, eles vão trocar opiniões sobre emendas constitucionais, medidas contra a queda da natalidade e da população, revitalização regional, promoção do esporte e da cultura, bem como investimentos em educação e recursos humanos.