qui. dez 1st, 2022

A campanha pela eleição de liderança do partido governante japonês para escolher o sucessor do primeiro-ministro Yoshihide Suga começou oficialmente na sexta-feira, com quatro legisladores veteranos – dois homens e duas mulheres – jogando seus chapéus no ringue.

A eleição presidencial do Partido Liberal Democrata, marcada para 29 de setembro, está sendo disputada pelo ex-ministro das Relações Exteriores Fumio Kishida, a ex-ministra das comunicações Sanae Takaichi, o ministro da vacinação Taro Kono e Seiko Noda, secretária-geral executiva interina do PDL, sem nenhum ter um caminho claro para a vitória.

O PLD está escolhendo seu novo presidente, que se tornará primeiro-ministro enquanto o partido controla a Câmara dos Representantes, a poderosa câmara baixa do parlamento, depois que Suga anunciou sua renúncia no início deste mês, quando o apoio público a seu governo atingiu novos mínimos devido à insatisfação com sua resposta COVID-19.

Os candidatos devem fazer discursos sobre políticas à tarde, antes de realizar uma entrevista coletiva conjunta.

Taro Kono

Kono, um reformista do partido conservador que no passado irritou ao se opor à energia nuclear e abandonar um custoso sistema de defesa antimísseis, foi visto como o favorito.

Os legisladores juniores com assentos mais vulneráveis ​​são especialmente atraídos para o homem de 58 anos, que lidera as pesquisas de opinião sobre quem deve suceder Suga como primeiro-ministro, já que eles buscam nomear um líder popular antes das eleições gerais neste outono.

A maioria das principais associações do PLD está permitindo que os membros votem livremente, ao contrário das eleições presidenciais anteriores, nas quais os chefes das associações, como o vice-primeiro-ministro e o ministro das finanças Taro Aso e o secretário-geral do PLD, Toshihiro Nikai, o nº 2 no comando do partido, ditavam como os votos deviam ser lançados.

Kono também ganhou o apoio de Shigeru Ishiba, um ex-ministro da defesa popular que decidiu ficar de fora da corrida.

Fumio Kishida

Kishida, outro forte candidato, deve reunir o apoio de legisladores veteranos que estão desconfortáveis ​​com a tendência reformista de Kono.

O político de 64 anos também tem a vantagem de poder contar com votos de sua própria associação, que conta com 47 membros.

Sanae Takaichi

Tanto Takaichi quanto Noda pretendem se tornar a primeira mulher primeira-ministra do Japão, uma conquista que seria histórica e há muito esperada em um país que ocupa a posição mais baixa entre as nações do Grupo dos Sete nas classificações de diferença de gênero do Fórum Econômico Mundial.

Na eleição, os legisladores e membros comuns do PLD terão, cada um, 383 votos, com o candidato vencendo a maioria. Se ninguém obtiver mais de 50% dos votos, ocorrerá um segundo turno com peso maior para os parlamentares.

Seiko Noda

A entrada tardia de Noda, de 61 anos, que anunciou sua candidatura na quinta-feira, aumentou as chances de um primeiro turno indeciso, tornando mais difícil prever quem será o eventual vencedor.

Takaichi, de 60 anos, como parte do grupo de direita do PLD e aliada próxima do ex-primeiro-ministro Shinzo Abe, prometeu continuar fazendo visitas regulares ao santuário Yasukuni ligado à guerra, um movimento que certamente prejudicará as relações com a China e a Coreia do Sul, que vê o local de culto como um símbolo do antigo militarismo japonês.