qui. jun 30th, 2022

Um estudo comparando as respostas imunológicas individuais em relação às vacinas contra covid-19 mostrou que o imunizante produzido pela farmacêutica Moderna gerou mais que o dobro de anticorpos do que o elaborado pela Pfizer em parceria com a BioNTech.

A pesquisa, envolvendo 2.499 profissionais de saúde belgas que foram vacinados com as duas doses da vacina de ambas as empresas, foi publicada na segunda-feira (30), no Journal of the American Medical Association, revista da Associação Médica Americana.

O levantamento mostrou que os participantes que já haviam sido infectados pelo coronavírus atingiram níveis mais altos de anticorpos do que aqueles que não foram contaminados, mas o imunizante da Moderna saiu na frente da vacina fabricada pela Pfizer/BioNTech em ambos os grupos.

Ainda segundo o site, apesar do resultado, o estudo sugeriu algumas razões para as diferenças nos níveis de anticorpos entre as vacinas, entre elas o intervalo mais longo entre as doses da Moderna (quatro semanas) em comparação às três semanas da Pfizer.

Além disso, os pesquisadores afirmaram que a injeção da Moderna tinha uma concentração mais alta do ingrediente ativo principal usado em ambas as vacinas.

Os patamares de anticorpos também foram negativamente correlacionados com a idade dos participantes não infectados anteriormente, com níveis mais altos encontrados entre aqueles com menos de 35 anos, conforme mostrou o estudo.