dom. jul 25th, 2021
EUA, Japão e Coreia do Sul concordam em continuar a cooperação com a Coreia do Norte

Enviados dos EUA, Japão e Coréia do Sul concordaram na segunda-feira em continuar cooperando para a desnuclearização completa da Península Coreana por meio da retomada do diálogo com a Coreia do Norte, disse o Ministério das Relações Exteriores do Sul.

No início de sua reunião pessoal em Seul, Sung Kim, o recém-nomeado representante especial dos EUA para a Coreia do Norte, expressou esperança de uma resposta positiva do Norte após as aberturas dos EUA para o diálogo.

A reunião também atraiu Takehiro Funakoshi, chefe do Gabinete de Assuntos Asiáticos e Oceânicos do Ministério das Relações Exteriores do Japão, e Noh Kyu Duk, representante especial da Coréia do Sul para assuntos de paz e segurança da Península Coreana.

Os três “concordaram em continuar a cooperação entre os três países para trazer progresso efetivo na obtenção de desnuclearização completa e um acordo de paz permanente na Península Coreana, retomando as negociações com a Coreia do Norte o mais rápido possível”, disse o ministério em um comunicado.

“Continuamos a esperar que a RPDC responda positivamente ao nosso alcance e à nossa oferta de nos reunirmos em qualquer lugar, a qualquer hora, sem pré-condições”, disse Sung Kim no início. DPRK significa República Popular Democrática da Coreia, o nome oficial da Coreia do Norte.

O governo do presidente dos EUA, Joe Biden, concluiu recentemente uma revisão de sua política para a Coréia do Norte e sinalizou sua disposição para o diálogo com a Coréia do Norte, ao mesmo tempo em que construiu um acordo bilateral de 2018 que incluía o compromisso de Pyongyang com a desnuclearização.

O líder norte-coreano Kim Jong Un na semana passada “enfatizou a necessidade de se preparar para o diálogo e o confronto, especialmente para se preparar totalmente para o confronto” com o governo Biden, de acordo com a Agência Central de Notícias da Coréia.

“Nossa política exige uma abordagem calibrada e prática que está aberta e explorará a diplomacia com a RPDC, enquanto buscamos fazer progressos práticos que aumentem a segurança dos Estados Unidos e de nossos aliados”, disse Kim.

Mas o enviado dos EUA indicou que Washington também continuará pressionando Pyongyang, enfatizando que as resoluções do Conselho de Segurança da ONU contra a Coreia do Norte continuarão a ser implementadas para enfrentar as ameaças contínuas que ela representa para a sociedade internacional.

No mesmo encontro, o Japão ganhou o apoio dos Estados Unidos e da Coreia do Sul ao buscar de novo seu entendimento e cooperação sobre o sequestro de japoneses pela Coreia do Norte nas décadas de 1970 e 1980.

Funakoshi e Noh tiveram uma reunião separada no mesmo dia, como Sung Kim e Noh fizeram antes da reunião a três.

Na primeira cúpula EUA-Coréia do Norte em 2018 em Cingapura, Kim Jong Un e o antecessor de Biden, Donald Trump, concordaram que Washington forneceria garantias de segurança a Pyongyang em troca da desnuclearização “completa” da península coreana.

Em sua reunião com o presidente sul-coreano, Moon Jae, em maio, Biden sinalizou que sua política se basearia no acordo de 2018, com foco na meta de desnuclearização, bem como na melhoria das relações entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte.