sex. jan 27th, 2023

Enquanto o Japão se prepara para expandir sua implementação da vacina contra o coronavírus para toda a população, 62,1% das pessoas expressaram a vontade de receber a vacina, mostrou uma recente pesquisa online feita por uma faculdade de medicina de Tóquio.

A pesquisa, conduzida em janeiro por uma equipe da Tokyo Medical University, também descobriu que as mulheres e as gerações mais jovens aceitam menos as vacinas, ressaltando a necessidade de o governo tranquilizar e educar grandes setores da população sobre sua segurança.

“Para aumentar o nível de imunidade do rebanho, é necessário aumentar a porcentagem de pessoas dispostas a serem vacinadas”, disse Masaki Machida, pesquisador associado do Departamento de Medicina Preventiva e Saúde Pública da universidade.

Os resultados estão amplamente de acordo com uma pesquisa da Kyodo News realizada em fevereiro, que mostrou 63,1% dos entrevistados no Japão expressando disposição para ter uma chance, sendo as mulheres na faixa dos 40 e 50 anos as mais cautelosas.

Machida, que liderou a pesquisa divulgada em 3 de março, explicou que não havia grande diferença entre o Japão e outros países na aceitação da vacina contra o coronavírus, a julgar por pesquisas similares no exterior que mostraram que 60 a 80 por cento estavam dispostos a ser inoculados, embora seja difícil faça uma comparação simples devido aos diferentes métodos de pesquisa.

A pesquisa foi realizada entre 14 e 18 de janeiro e recebeu respostas válidas de 2.956 dos 3.000 entrevistados que foram selecionados por idade, sexo e local de residência para fornecer uma visão representativa da população.

Foi conduzido em um momento em que o número de casos de coronavírus estava alto, com um recorde de 7.949 pacientes diários relatados em todo o país em 8 de janeiro, o que levou o primeiro-ministro Yoshihide Suga a declarar estado de emergência, o segundo desse tipo no país, cobrindo Tóquio e várias outras regiões de alta densidade.

Questionados sobre o quão dispostos estariam em receber as vacinas COVID-19 assim que disponíveis ao público, a proporção daqueles que responderam “muito provável” ou “um pouco provável” foi de 62,1 por cento.

Com base em uma pesquisa dos EUA, Machida disse que a porcentagem de aceitação da vacinação no Japão pode ter aumentado desde então, pois é provável que as preocupações com a segurança e os efeitos colaterais tenham diminuído um pouco depois que os profissionais de saúde começaram a receber vacinas no mês passado e compartilharam suas experiências através da mídia e outros meios.

A pesquisa dos EUA descobriu que a intenção de receber as vacinas COVID-19 aumentou de 61,9 por cento em setembro para 68,0 por cento em dezembro, o mesmo mês em que o lançamento da vacina começou, de acordo com Machida.

A pesquisa da Tokyo Medical University mostrou que a aceitação da vacina foi menor entre vários grupos sociodemográficos. Por exemplo, 56,4 por cento das mulheres mostraram vontade de receber uma injeção, em comparação com 68,0 por cento dos homens.

Entre as faixas etárias, 54,5 por cento das pessoas de 20 a 49 anos responderam que desejam ser vacinadas, bem abaixo dos 63,6 por cento das pessoas de 50 a 64 anos e 74,5 por cento das pessoas de 65 anos ou mais.

“Para aumentar a cobertura da vacina COVID-19 no Japão, pode ser importante garantir a vacinação entre essas populações com baixa aceitação da vacina”, disse o relatório.

O governo também está lutando para aumentar as taxas de vacinação entre as gerações mais jovens.

No mês passado, Taro Kono, o ministro encarregado dos esforços de vacinação, recebeu elogios de Machida por enviar uma mensagem em vídeo para o Tokyo Girls Collection, um festival de moda popular para mulheres jovens, incentivando os jovens a se vacinarem.