seg. nov 28th, 2022

Um painel da ONU diz que a exposição à radiação do acidente de 2011 na usina nuclear de Fukushima Daiichi não deve aumentar as taxas de câncer, confirmando suas descobertas anteriores sobre o assunto.

O Comitê Científico da ONU sobre os Efeitos da Radiação Atômica divulgou na terça-feira um relatório antes do décimo aniversário do grande terremoto e tsunami que levou ao acidente na quinta-feira.

O relatório diz que “efeitos futuros na saúde, como câncer diretamente relacionado à exposição à radiação, provavelmente não serão perceptíveis.”

A radiação foi liberada no ar, na terra e na água ao redor da usina nuclear de Fukushima após o terremoto e tsunami  Foto: POOL / AFP / Arquivo

O aumento de casos de câncer de tireoide entre crianças expostas é atribuído ao “resultado de procedimentos de triagem ultrassensível”.

O relatório também diz que o número de casos de câncer de tireoide em qualquer faixa etária e de leucemia e câncer entre os trabalhadores da fábrica danificada provavelmente não aumentará.

O comitê diz que as principais descobertas e conclusões de seu relatório de 2013 foram amplamente confirmadas com a análise de dados adicionais.

O órgão de vigilância nuclear da ONU, a Agência Internacional de Energia Atômica, também disse que não há evidências de que o desastre tenha causado efeitos prejudiciais à saúde das pessoas.

“Embora o dano resultante tenha causado a liberação de nuclídeos no meio ambiente, os cientistas não encontraram nenhuma evidência de que isso tenha causado efeitos à saúde induzidos pela radiação”, disse o chefe da AIEA com sede em Viena, Rafael Grossi, em um comunicado.

No entanto, “uma lição importante de Fukushima é que os reguladores devem ser fortes, independentes e com recursos adequados”, disse Grossi.

Um terremoto de magnitude 9,0 e um tsunami desencadearam o desastre de Fukushima, que liberou grandes quantidades de radiação no ar, terra e água ao redor da usina nuclear 220 quilômetros a nordeste de Tóquio.

Cerca de 100.000 pessoas tiveram que fugir de suas casas e 19.000 morreram no desastre.

Fukushima foi o pior acidente nuclear desde o desastre de Chernobyl em 1986 na Ucrânia, onde também foi detectado um grande número de cânceres de tireoide.