seg. maio 10th, 2021
MSDF e Guarda Costeira do Japão realizam exercício conjunto

A Força de Autodefesa Marítima do Japão (MSDF – Maritime Self-Defense Force)  e a Guarda Costeira realizaram um exercício conjunto no sudoeste do Japão, com foco em como responder a um navio suspeito.

O exercício, realizado em Kyushu na quarta-feira, envolveu um contratorpedeiro, um barco com mísseis e dois helicópteros do MSDF e dois navios de patrulha da Guarda Costeira.

Foi a primeira vez que o MSDF teve um de seus destróieres participando do exercício anual em oito anos, aparentemente para mostrar sua cooperação reforçada com a Guarda Costeira.

O exercício foi conduzido de forma fechada devido à pandemia de coronavírus e, segundo consta, com base no cenário de que um navio suspeito foi avistado se aproximando de uma instalação importante.

Os participantes teriam procedimentos confirmados para perseguir o navio enquanto compartilhavam informações por meio de comunicações de rádio e o obrigavam a parar.

Uma fonte do Ministério da Defesa disse que é significativo que o destróier tenha participado do exercício, apesar do aperto nas operações dos destróieres devido a tarefas como patrulhas e vigilância em águas ao redor do Japão.

Observadores dizem que o MSDF tem como objetivo mostrar que está fortalecendo a cooperação com a Guarda Costeira, já que navios do governo chinês têm sido vistos frequentemente navegando nas águas territoriais do Japão ao largo das Ilhas Senkaku, no Mar da China Oriental.

O Japão controla as ilhas. China e Taiwan os reivindicam. O governo japonês afirma que as ilhas são parte inerente do território japonês, em termos de história e de direito internacional. Diz que não há questão de soberania a ser resolvida sobre eles.

A China introduziu no mês passado uma nova lei que permite que sua guarda costeira use armas em águas que considera estar sob sua jurisdição.

O chefe do Estado-Maior do MSDF, Yamamura Hiroshi, disse a repórteres na terça-feira que a cooperação com a Guarda Costeira está se tornando mais importante devido à atual situação no Mar da China Oriental.