sáb. fev 27th, 2021
Japão inicia vacinação COVID-19 em meio a preocupação com o abastecimento

As primeiras injeções de coronavírus no Japão foram dadas a profissionais de saúde na quarta-feira, dando início a uma campanha de vacinação considerada crucial para a realização das já atrasadas Olimpíadas de Tóquio.

O progresso que a campanha pode fazer é incerto, entretanto, em um país preocupado com a possível escassez de vacinas importadas e onde as pessoas muitas vezes relutam em tomá-las devido à preocupação com os efeitos colaterais.

A campanha massiva ocorre depois que o governo deu sua primeira aprovação tardia no domingo para tiros desenvolvidos e fornecidos pela Pfizer, que têm sido usados ​​em muitos outros países desde dezembro.

O Japão ficou para trás depois de pedir à Pfizer que conduzisse testes clínicos com japoneses, além dos testes anteriores da empresa em seis outras nações. Mas as autoridades dizem que foi necessário abordar as preocupações de muitos japoneses sobre a segurança em um país conhecido pela baixa confiança em vacinas.

O fornecimento de vacinas importadas é uma grande preocupação devido à escassez e às restrições de fornecimento na Europa, onde muitas são fabricadas. O fornecimento de vacinas importadas determinará o progresso da campanha de vacinação no Japão, disse o ministro das vacinas do país, Taro Kono, na terça-feira.

Alguns dos 40.000 médicos e enfermeiras de 100 hospitais selecionados em todo o país receberam suas primeiras injeções na quarta-feira, com a segunda injeção planejada para 10 de março. Metade participará de uma pesquisa de saúde de 7 semanas.

Após semanas de atraso, o programa de vacinação do Japão está funcionando em um cronograma apertado.

As vacinas chegaram a um hospital de Tóquio na terça-feira, na noite anterior ao início das vacinas para sua equipe na manhã de quarta-feira.

Uma primeira remessa da vacina Pfizer, que chegou na sexta-feira passada, é suficiente para 40.000 médicos e enfermeiras de 100 hospitais selecionados em todo o país, disse Kono.

As inoculações de 3,7 milhões de profissionais de saúde a mais começarão em março, seguidos por cerca de 36 milhões de pessoas com 65 anos ou mais a partir de abril. Pessoas com problemas de saúde subjacentes, bem como cuidadores em lares de idosos e outras instalações, serão os próximos, antes que a população em geral receba sua vez.

Será por volta de junho quando as pessoas comuns terão sua vez, e alcançar a chamada “imunidade coletiva” contra o vírus antes das Olimpíadas seria impossível, dizem os especialistas.

Os Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020 devem começar em julho.

A desconfiança do Japão nas vacinas já existe há décadas. Muitas pessoas têm uma vaga inquietação em relação às vacinas, em parte porque seus efeitos colaterais costumam ser enfatizados.

Metade dos que receberam as primeiras injeções manterá registros diários de sua condição por sete semanas, dados que serão usados ​​em um estudo de saúde destinado a informar as pessoas preocupadas com os efeitos colaterais.