sex. abr 16th, 2021
Japão rejeita proposta da China para aliviar as tensões sobre a soberania da ilha

O Departamento de Defesa dos EUA criticou na terça-feira as atividades de Pequim em águas próximas às ilhas Senkaku, controladas pelos japoneses e reivindicadas pelos chineses, no Mar da China Oriental, enquanto expressava “apoio” ao Japão na questão.

“Pedimos aos chineses que evitem ações, usando seus navios da guarda costeira, que possam levar a erros de cálculo e possíveis … danos físicos”, disse o secretário de imprensa do departamento, John Kirby, durante uma entrevista coletiva.EUA criticam a China por atividades perto de ilhas Senkaku e afirma apoiar o Japão

“Nós concordamos com a comunidade internacional sobre os Senkakus e a soberania dos Senkakus, e apoiamos o Japão obviamente nessa soberania”, acrescentou.

A administração do presidente dos EUA Joe Biden, como as administrações anteriores, ofereceu garantias ao Japão de que o Artigo 5 do tratado bilateral de segurança cobre os Senkakus, o que significa que os Estados Unidos defenderiam o Japão em caso de conflito lá.

A China reagiu imediatamente aos comentários de Kirby na quarta-feira, argumentando que as ilhas no Mar da China Oriental são parte do “território inerente” do país.

“O tratado de segurança EUA-Japão é um produto da Guerra Fria e não deve prejudicar os interesses de terceiros e colocar em risco a paz e a estabilidade regionais”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Wang Wenbin, a repórteres em Pequim, referindo-se às ilhotas como Diaoyu.

Os Estados Unidos, por sua vez, assumiram uma posição neutra em relação às reivindicações de soberania.

Embora os comentários de Kirby parecessem apoiar a soberania do Japão sobre as ilhas, outro porta-voz do Departamento de Defesa posteriormente esclareceu que “não há mudança na política dos EUA”.

Em Tóquio, o ministro das Relações Exteriores do Japão, Toshimitsu Motegi, acolheu os comentários do secretário de imprensa, dizendo que eles estavam de acordo com as preocupações comuns dos dois países sobre as tentativas unilaterais de Pequim de mudar o status quo no Mar da China Oriental.

“É extremamente deplorável e totalmente inaceitável que os navios da guarda costeira chinesa estejam entrando repetidamente nas águas territoriais do Japão ao redor das ilhas Senkaku e fazendo movimentos para se aproximar dos navios de pesca japoneses”, disse ele.

O Departamento de Estado dos EUA disse na semana passada que os Estados Unidos se juntam ao Japão, Filipinas, Vietnã, Indonésia e outros países ao expressar “preocupação” com a nova lei da guarda costeira chinesa, dizendo que ela pode “intensificar as disputas territoriais e marítimas” no leste e mares do Sul da China.

Implementada em 1º de fevereiro, a lei permite explicitamente que a guarda costeira chinesa use armas contra navios estrangeiros que ela considere entrarem ilegalmente nas águas chinesas. Embarcações da guarda costeira chinesa foram localizadas perto das ilhotas desabitadas desde que a lei entrou em vigor.