sáb. jun 25th, 2022

A Organização Mundial da Saúde disse na sexta-feira que seu painel concluiu que a vacinação contra o novo coronavírus não deve ser obrigatória para viajantes internacionais, citando incertezas sobre a eficácia e o fornecimento.

“Dado que o impacto das vacinas na redução da transmissão ainda é desconhecido, e a disponibilidade atual de vacinas é muito limitada, o comitê recomendou que os países não exijam prova de vacinação de viajantes que chegam”, disse o Comitê de Emergência da OMS em um comunicado à imprensa.Foto tirada em 14 de fevereiro de 2020, mostra a sede da Organização Mundial da Saúde em Genebra.

O comitê exortou os países a “implementar abordagens coordenadas, limitadas no tempo, baseadas em risco e baseadas em evidências para medidas de saúde em relação ao tráfego internacional de acordo com as orientações da OMS”, disse o relatório.

O anúncio ocorre em um momento em que muitos países lutam para fortalecer os controles de fronteira e exigem que os viajantes que chegam apresentem prova de que testaram negativo para o coronavírus antes de partirem de seus países.

No início desta semana, o governo dos EUA disse que exigirá a partir de 26 de janeiro todos os viajantes estrangeiros que forneçam prova de um resultado negativo do teste de coronavírus antes de serem autorizados a embarcar em voos de chegada.

O comitê “encorajou fortemente os fabricantes de vacinas a fornecer rapidamente dados de segurança e eficácia” à OMS, disse o comunicado, observando que a falta de tais dados pode se tornar uma barreira para garantir um fornecimento oportuno e equitativo de vacinas em todo o mundo.

Embora a vacinação contra o coronavírus esteja em andamento em alguns países, o acesso tem sido limitado principalmente aos idosos e trabalhadores em ocupações selecionadas, como equipe médica, policiais e funcionários de enfermagem.

Espera-se que leve algum tempo até que o público em geral receba as vacinas em larga escala.