qua. nov 30th, 2022

O número de novos casos de COVID-19 no Japão ultrapassou 5.000 pela primeira vez em 6 de janeiro, incluindo um recorde de 1.591 infecções confirmadas em Tóquio.

As infecções diárias por coronavírus no Japão totalizaram 6.004 casos, revelou uma contagem baseada em dados oficiais na quarta-feira.

Foi a terceira vez que a contagem diária excedeu 1.000 em Tóquio. Com os 1.228 novos casos em 5 de janeiro e o recorde anterior de 1.337 registrados em 31 de dezembro, a média diária da semana ultrapassou o nível de 1.000 e atingiu 1.072.

O recorde nacional anterior foi 4.917 estabelecido em 5 de janeiro.

Como Aichi também confirmou um recorde de 364 casos, o governador Hideaki Omura disse em uma entrevista coletiva que pode pedir ao estado que coloque a prefeitura central do Japão sob a declaração de emergência, “se essa tendência continuar por alguns dias”.

Osaka teve 560 infecções, superando o recorde anterior de 490 registrados em novembro, e Fukuoka confirmou um recorde de 316 casos diários.

Um recorde também foi estabelecido na província de Hyogo, que relatou 248 novas infecções, o segundo dia consecutivo em que a contagem ultrapassou 200.

A Prefeitura de Nagano confirmou 50 novos casos para uma segunda alta diária consecutiva. Os 33 novos casos da província de Mie também quebraram o recorde estabelecido no dia anterior.

A prefeitura de Oita igualou sua alta em um único dia de 26 infecções confirmadas.

O número para Tóquio foi particularmente preocupante para seu sistema de saúde porque veio um dia depois que o número de pacientes internados com a doença na capital ultrapassou 3.000 pela primeira vez.

Em 5 de janeiro, o número de pacientes internados no COVID-19 era um recorde de 3.025, com a taxa de ocupação de leitos hospitalares atingindo 86 por cento.

Também havia 870 pacientes COVID-19 em recuperação em instalações de acomodação e 4.480 em casa, elevando o total para 8.375 pacientes em Tóquio.

O número de pacientes listados em estado grave na capital aumentou em dois em relação ao dia anterior, para um recorde de 113 em 6 de janeiro, disseram autoridades do governo metropolitano. O número ultrapassou 105 estabelecido no final de abril do ano passado sob o primeiro estado de emergência.

Tóquio define os casos graves como aqueles que requerem ventiladores ou oxigenação por membrana extracorpórea, também conhecida como máquina de bypass pulmonar de ECMO.

Um segundo estado de emergência deverá ser declarado esta semana para Tóquio e três prefeituras vizinhas.

A situação na capital é agora pior do que no primeiro estado de emergência.

O governo metropolitano de Tóquio disse em dezembro que aumentará o número de leitos hospitalares para pacientes com COVID-19 de 3.000 para 4.000. Atualmente, possui 3.500 leitos e quase metade dos 220 leitos para pacientes com sintomas graves está ocupada.

“É uma situação extremamente crítica”, disse a governadora de Tóquio, Yuriko Koike, em uma entrevista coletiva em 4 de janeiro.

Os profissionais de saúde estão cada vez mais frustrados com a terrível situação.

“O pessoal médico está exausto e esgotado, pois continuou a tratar os pacientes da primeira onda”, disse Haruo Ozaki, chefe da Associação Médica de Tóquio. “Reduzir o número de novos pacientes é a única maneira de superar esta crise, e tememos que a capacidade médica esteja quase esgotada.”

Alguns especialistas em saúde alertaram que demorará mais para a terceira onda de infecções ficar sob controle, enfatizando a necessidade de medidas mais rigorosas.

Toshio Nakagawa, presidente da Associação Médica do Japão, disse em uma coletiva de imprensa separada que o governo deveria estudar a possibilidade de expandir a cobertura da declaração planejada para todo o país, dependendo do nível de disseminação do vírus.

Nakagawa também pediu que todos os legisladores evitem “completamente” jantar fora à noite, independentemente do número de participantes.

Dos 1.591 novos casos em Tóquio em 6 de janeiro, 439 pacientes estão na casa dos 20 anos, seguidos por 326 na casa dos 30 anos, 278 na casa dos 40 anos e 196 nos 50 anos. Havia 179 pacientes com 65 anos ou mais.

De 1º de dezembro a 1º de janeiro, o número de pacientes internados aumentou de 1.650 para 2.730 em Tóquio.

No pico da primeira onda de infecções por vírus, o número total de COVID-19 internados e pacientes em acomodações e suas casas em Tóquio era 2.974 em 6 de maio.

Mas agora, o número de pacientes internados sozinho ultrapassou essa marca.