qua. nov 30th, 2022

Milhões de pessoas fizeram fila na quarta-feira em temperaturas abaixo de zero para receber uma segunda rodada de testes de coronavírus em uma cidade ao sul de Pequim, que está no centro do mais recente surto de COVID-19 na China.

A Comissão Nacional de Saúde anunciou na quarta-feira que outros 90 casos confirmados foram registrados na província de Hebei, cuja capital, Shijiazhuang, responde pela grande maioria dos casos recentes. Outros 16 casos foram registrados na província de Heilongjiang, no nordeste, e um na província de Shanxi, no norte.

A China, onde o coronavírus foi detectado pela primeira vez no final de 2019, conteve em grande parte a disseminação doméstica do vírus e os novos surtos acontecem enquanto as autoridades pressionam para vacinar 50 milhões de pessoas até meados de fevereiro.

O surto de Hebei é particularmente preocupante devido à proximidade da província com Pequim. As viagens de ida e volta para três cidades, Shijiazhuang, Xingtai e Langfang, foram suspensas e residentes de algumas comunidades foram orientados a ficar em casa na próxima semana.

Todos os cerca de 10 milhões de habitantes de Shijiazhuang foram obrigados a passar por uma segunda rodada de testes, enquanto as autoridades procuram isolar as fontes do surto. Algumas das infecções foram provisoriamente associadas a festas de casamento.

Medidas semelhantes foram ordenadas em todo o país, especialmente em Wuhan, onde 11 milhões de pessoas foram colocadas sob bloqueio por 76 dias no inverno passado, durante os primeiros dias da pandemia.

O aumento do número ocorre no momento em que especialistas da Organização Mundial de Saúde se preparam para voar na quinta-feira para Wuhan, no início de sua investigação sobre as origens da pandemia.

A China rejeitou os pedidos de uma investigação independente enquanto controla estritamente todas as pesquisas sobre as origens do coronavírus e promove teorias marginais de que o vírus pode realmente ter sido trazido de fora para a China.