qui. set 29th, 2022

Vários países europeus impuseram novas restrições a viagens relacionadas ao Reino Unido neste domingo, preocupados com uma nova variação do coronavírus que está rapidamente se espalhando no país.

A Bélgica disse que fecharia suas fronteiras para trens e aviões chegando do Reino Unido, e a Holanda também suspendeu voos. A Itália afirmou que estava planejando uma proibição similar.

A Alemanha também pode impor restrições a voos do Reino Unido e da África do Sul, que também detectou uma nova variação do coronavírus, afirmou uma autoridade do Ministério da Saúde da Alemanha.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e cientistas anunciaram no sábado que uma nova variação do vírus levou a um espiral crescente de infecções.

O governo britânico apertou as restrições contra a Covid-19 em Londres e arredores, atrapalhando os planos de milhões de pessoas para o Natal.

O ministro das Relações Exteriores da Itália, Luigi di Maio, anunciando planos de suspender voos chegando do Reino Unido ou direcionados ao país, disse: “Nossa prioridade é proteger a Itália e nossos compatriotas”.

A Holanda proibiu voos carregando passageiros do Reino Unido a partir de domingo. As restrições ficarão em vigor até 1º de janeiro, afirmou o governo holandês. Está monitorando a situação e considerando medidas adicionais em relação a meios de transporte.

O governo emitiu um alerta para que viagens fossem evitadas a menos que fossem absolutamente essenciais.

A Alemanha quer proibir todos os voos do Reino Unido a partir da meia-noite até 6 de janeiro, afirmou o jornal Bild, citando fontes do governo.

O gabinete da chanceler Angela Merkel votará ainda neste domingo um decreto preparado pelo Ministério da Saúde e conversará por telefone com o presidente francês, Emmanuel Macron, para discutir uma resposta coordenada da União Europeia à nova variação do vírus detectado no Reino Unido, disse.

A Áustria também está planejando proibir voos do Reino Unido, afirmou a agência de notícias APA, citando o Ministério da Saúde.

A Espanha afirmou que, em resposta às medidas de alguns de seus parceiros da União Europeia, pediu à Comissão Europeia e ao Conselho Europeu que haja uma resposta coordenada do bloco para a nova situação.

Do contrário, agiria unilateralmente para defender seus interesses e dos seus cidadãos, afirmou o governo de Madri.

Como outros países na Europa, o Reino Unido está enfrentando uma nova onda do vírus e registrou 27.052 novos casos de Covid-19 no sábado, levando o total a mais de 2 milhões, e 534 mortes adicionais, chegando a mais de 67.000.

Entenda

Uma nova variante do coronavírus Sars-CoV-2, que causa a covid-19, foi identificada no Reino Unido, anunciou em (14/12) o ministro da Saúde britânico, Matt Hancock.

Em um comunicado ao Parlamento britânico, Hancock declarou que cientistas britânicos detectaram “uma nova variante do coronavírus, que pode estar associada com a propagação mais rápida no sudeste da Inglaterra”.

Ainda não se sabe até que ponto o aumento do contágio em todas as faixas etárias pode ser atribuído à nova variante, de acordo com Hancock. Ele alertou que a situação exige uma “ação rápida e decisiva”.

Mais de mil casos dessa nova variante foram identificados, especialmente no sul da Inglaterra, e as autoridades britânicas já notificaram a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Hancock acrescentou que não há evidência de que a variante tenha efeitos mais prejudiciais à saúde dos pacientes e considerou “muito improvável” que as vacinas desenvolvidas contra a covid-19 não tenham eficácia nesse caso específico.

Lockdown

O ministro anunciou na mesma audiência que Londres, assim como certas áreas dos condados de Essex, no leste da Inglaterra, e Hertfordshire, ao norte da capital, foram colocadas sob restrições máximas, com fechamento de bares e restaurantes a partir de quarta-feira.

A decisão do governo de colocar Londres sob restrições de nível 3 – de risco muito alto – vem menos de duas semanas após o fim do segundo lockdown em toda a Inglaterra, que durou um mês e terminou no último dia 2.

As medidas incluem proibição de reuniões sociais dentro de casa e limite de seis pessoas em encontros entre moradores de residências diferentes do lado de fora. Também devem fechar quase todos os serviços de alimentação, exceto as refeições para viagem e entregas a domicílio. Além disso, a recomendação é evitar qualquer viagem para fora da área sujeita às restrições.

O prefeito de Londres, Sadiq Khan, também pediu ao governo que feche imediatamente as escolas secundárias, que estão enfrentando por um rápido aumento no número de contágios.