sex. jan 27th, 2023

A Fundação Japonesa de Automóveis (JAF) conduziu uma pesquisa nacional para ver se os carros parariam ou não para passageiros que desejam atravessar a rua em faixas de pedestres sem semáforos. A pesquisa observou os hábitos de pouco mais de 9.400 veículos em duas faixas de pedestres por prefeitura no Japão, em um total de 94 áreas.

Os resultados tristes, mas verdadeiros: apenas 23% dos veículos pararam para pedestres.

Menos de um quarto dos automóveis para para as pessoas que tentam atravessar a rua, em média. Surpreendentemente, o número na verdade aumentou quatro pontos em relação ao ano passado, mas você ainda pode argumentar que é muito perigoso para os cidadãos.

A Prefeitura de Nagano ficou com o ouro nesta pesquisa; impressionantes 72,4% dos veículos pararam para alguém que esperava para atravessar a estrada. Se você teme por sua vida, considere Nagano como um lugar a ser visitado em sua próxima viagem ao Japão.

Os internautas japoneses reagiram às notícias com uma mistura de aceitação implacável e paixão, com alguns até pedindo mudanças.

“Ninguém para se o carro na frente deles não parou. Eu entendo porque é apenas 20 por cento. ”

“Costumava atravessar a rua em faixas de pedestres sem semáforos, e os veículos que paravam com mais frequência para mim eram carros de polícia e caminhões de bombeiros. Em seguida vieram caminhões grandes. São carros normais que não param, às vezes mesmo se você levantar a mão. Faz sentido que seja apenas 21 por cento. ”

“Os motoristas dizem que não param porque é perigoso quando ninguém mais está parando, mas se você aplicar regras como essa com mais rigor por cerca de três anos, as pessoas aprenderão a parar. Afinal, todo mundo passou a obedecer às leis do cinto de segurança e ao dirigir embriagado desde que as reprimiram.

“Eu realmente não me importo com a sua situação. Pare! É a regra! ”

Embora não esteja claro se as leis de trânsito como esta serão aplicadas com mais rigor, o JAF está pedindo mais consciência da situação por parte dos motoristas e pedestres.


Fonte: Japan Today