qui. set 29th, 2022

Algumas instituições de pesquisa japonesas que desenvolvem vacinas contra o coronavírus foram atingidas por ataques cibernéticos, aparentemente da China, no que se acredita serem os primeiros casos do tipo no país, disse uma empresa de segurança da informação dos EUA na segunda-feira.

Em meio a uma corrida cada vez mais intensa para desenvolver vacinas contra o COVID-19, esses corpos têm sido alvo de ataques desde abril, mas nenhum relato de vazamento de informações foi feito, de acordo com CrowdStrike.

O Centro Nacional de Preparação para Incidentes e Estratégia para Segurança Cibernética do governo exortou os fabricantes de medicamentos e organizações de pesquisa a aumentar os níveis de alerta contra tais tentativas de roubo de informações confidenciais.

A empresa americana não revelou os nomes das instituições visadas, mas disse suspeitar que os ataques foram tentados por um grupo de hackers chinês com base nas técnicas empregadas.

Os ataques envolveram o envio de e-mails anexados a arquivos eletrônicos, que pareciam estar relacionados ao novo vírus, mas continham vírus de computador, segundo a empresa.

Scott Jarkoff, diretor da CrowdStrike responsável pela região Ásia-Pacífico, destacou que as tentativas de espionagem lideradas por governos têm se intensificado para atingir a meta de desenvolver vacinas contra a COVID-19, doença respiratória causada pelo vírus, à frente de outros países.

Cerca de 190 projetos de vacinas estavam em andamento no final de setembro, alguns dos quais entraram na fase final de testes, de acordo com a Organização Mundial da Saúde e outros dados.

No Japão, a Universidade de Tóquio, a Universidade de Osaka, o Instituto Nacional de Doenças Infecciosas, entre outros, aderiram à corrida.

A Agência Japonesa para Pesquisa e Desenvolvimento Médico, ou AMED, patrocinada pelo governo, que aloca fundos estaduais para apoiar a pesquisa médica, adotou 20 projetos de vacinas conduzidos por universidades e empresas privadas.

As principais empresas farmacêuticas, incluindo Takeda Pharmaceutical Co e Daiichi Sankyo Co, foram selecionadas para o esquema de apoio da agência para o desenvolvimento da vacina COVID-19, que concede até 10 bilhões de ienes ($ 95 milhões) para cada projeto, de acordo com a AMED.

Mas ainda não se sabe quando a primeira vacina COVID-19 desenvolvida internamente será praticamente usada, enquanto alguns países estrangeiros pretendem introduzir a sua própria até o final do ano.

Em julho, Estados Unidos, Grã-Bretanha e Canadá alegaram em um relatório que hackers ligados a um serviço de inteligência russo haviam tentado roubar informações de pesquisadores que trabalhavam para produzir vacinas contra o coronavírus em seus países, o que Moscou negou.

Também naquele mês, o Departamento de Justiça dos EUA indiciou dois cidadãos chineses, que acreditava estarem trabalhando em nome do governo chinês, por invadir sistemas de computador de centenas de empresas, governos e organizações não governamentais para roubar pesquisas do COVID-19 e outras informações.

Pequim negou envolvimento nas tentativas.

Masakatsu Morii, um professor versado em segurança da informação na Universidade de Kobe, disse que é normal que as informações sobre as vacinas COVID-19 estejam sujeitas a ataques cibernéticos, pois grupos de hackers tendem a roubar informações confidenciais que estão no centro das atenções.

“O governo japonês deve fornecer suporte suficiente para a segurança (cibernética), além do desenvolvimento da vacina, uma vez que se projeta que levará alguns anos antes (as vacinas contra o coronavírus) serão fornecidas de forma estável”, disse Morii.



Seikatsu Magazine Japão