dom. nov 29th, 2020

Um recorde de 612.496 casos de bullying foi reconhecido em escolas de todo o Japão no ano fiscal de 2019, um aumento de 68.563 em relação à alta anterior do ano anterior, revelou uma pesquisa do Ministério da Educação na quinta-feira dia 22.

Entre os casos, o número de incidentes “graves” em que as vítimas sofreram danos físicos ou psicológicos graves também atingiu um recorde de 723, um aumento de 20 por cento em relação ao ano fiscal de 2018, mostrou.

A pesquisa abrangeu escolas públicas e privadas de ensino fundamental, médio e médio, bem como escolas especiais para crianças com deficiência, com 82,6 por cento relatando que haviam identificado pelo menos um caso de bullying no ano até março de 2020.

Um funcionário do ministério atribuiu o número recorde aos esforços recentes de professores para identificar e lidar com o bullying.

A pesquisa fiscal de 2019 descobriu que 317 alunos se suicidaram e 10 deles enfrentaram bullying.

Nas escolas primárias, o número de casos de bullying notificados aumentou 58.701 em relação ao ano anterior para 484.545. Aqueles em escolas secundárias aumentaram 8.820 para 106.524, enquanto 18.352 casos foram identificados em escolas secundárias, um aumento de 643.

Os casos de bullying em escolas especiais para alunos com deficiência aumentaram de 399 para 3.075.

Do total, 61,9 por cento dos casos envolveram bullying verbal, enquanto os ataques na internet e redes sociais representaram 2,9 por cento.

Nas escolas secundárias, no entanto, o bullying online foi responsável por 18,9%.

Atos violentos cometidos por alunos de escolas primárias, secundárias e secundárias também atingiram o nível mais alto de 78.787, com tais casos em escolas primárias mostrando uma tendência de alta.

A pesquisa anual também revelou que o número de alunos do ensino fundamental e médio que não foram à escola por 30 dias ou mais por motivos outros que doenças e dificuldades financeiras aumentou para 181.272, um aumento de 16.744 em relação ao ano anterior.

Desses alunos do ensino obrigatório, 55,6% faltaram à escola por 90 dias ou mais, de acordo com a pesquisa.



Seikatsu Magazine Japão