seg. nov 28th, 2022

Um hospital do oeste do Japão começou a planejar um sistema de monitoramento que permitirá que mães e outros membros da família cuidem de bebês recém-nascidos em terapia intensiva 24 horas por dia, superando as restrições em vigor desde o surto do novo coronavírus.

O sistema está sendo planejado pelo Hospital Universitário de Osaka, localizado na cidade de Suita, no oeste do Japão, na província de Osaka. Ele permite que mães e outros membros da família cuidem de seus bebês online em computadores e outros dispositivos por meio de câmeras instaladas perto de incubadoras. O hospital buscará doações online para financiar o novo sistema, com o objetivo de colocá-lo em funcionamento em janeiro de 2021.

Até o final de março de 2020, membros da família, incluindo irmãos e avós de bebês nascidos no Hospital Universitário de Osaka, podiam se encontrar com os recém-nascidos sem restrições quanto ao número de visitas ou tempo de cada visita. Mas as visitas foram totalmente proibidas entre abril e junho para prevenir infecções hospitalares por coronavírus. Atualmente, apenas os pais de recém-nascidos podem visitar seus filhos, e as visitas são limitadas a 30 minutos, uma vez por dia entre 10h e 18h.

O sistema de monitoramento foi proposto pelo Centro de Medicina Materna, Fetal e Neonatal do Hospital Universitário de Osaka, na tentativa de criar oportunidades de vínculo familiar mesmo fora do hospital. O hospital estabeleceu uma meta de arrecadar 10 milhões de ienes (cerca de US $ 94.200) por meio de crowdfunding. Uma função de segurança avançada é necessária para proteger as informações pessoais dos indivíduos, e os fundos cobrirão as despesas decorrentes do desenvolvimento do sistema, a compra de câmeras e outros custos relevantes.

De acordo com o Hospital Universitário de Osaka, uma mulher que era suspeita de ter contraído o novo coronavírus deu à luz seu bebê no hospital por cesariana, mas não pôde encontrar seu filho por dois dias até que fosse confirmado que ela testou negativo para o vírus. Outra família não conseguiu atender um bebê que ficou internado na unidade de terapia intensiva neonatal (UTIN) do hospital por um mês.

Yasuji Kitabatake, um médico do Hospital da Universidade de Osaka, comentou: “Há mães que sentem pena e se culpam ou perdem a confiança por não poderem encontrar seus filhos. As mães podem se sentir aliviadas em alguns casos ao ver seus bebês dormirem profundamente e sendo tratado gentilmente por enfermeiras, mesmo que elas não estejam por perto. “

O acompanhamento estará disponível para os bebês internados na UTIN por enquanto. Há casos em que os bebês ficam internados na UTIN por quase dois anos se estiverem abaixo do peso ou apresentarem doenças. O hospital também está considerando a implementação de um sistema no futuro, onde crianças que ficam hospitalizadas por longos períodos e pacientes adultos infectados com o novo coronavírus possam conversar com suas famílias.

As doações por crowdfunding serão coletadas de 14 de setembro a 30 de novembro por meio de um site de crowdfunding em https://readyfor.jp/projects/handai-kodomo

Outras informações podem ser feitas no Departamento de Pediatria da Universidade de Osaka no telefone 06-6879-3932.