qua. dez 7th, 2022

No dia 12 de agosto de 1985, o Japão foi marcado pela tragédia do pior acidente aéreo no país. Uma aeronave Jumbo da Japan Airlines caiu no cume de Osutaka, na província de Gunma, matando 520 pessoas, entre passageiros e tripulantes.

Um jato jumbo da Japan Airlines colidiu com uma montanha na província de Gunma, ao norte de Tóquio, em 12 de agosto de 1985. Quinhentas e vinte pessoas a bordo morreram.

Desde o primeiro ano do acidente, parentes e funcionários prestam homenagens às vítimas subindo a montanha onde ocorreu a queda do avião. Este ano devido a disseminação do coronavírus o número de participantes ficou restrito. Membros das famílias da vítimas foram chamados para a caminhada até a montanha Osutaka em um dos cinco dias programados entre 25 de julho e 13 de agosto, medida adotada para prevenir aglomerações.

Quase 300 pessoas costumam escalar a montanha no mesmo dia do acidente, no local foi construído um memorial às vítimas. Mas este ano, apenas um número limitado de parentes enlutados e outras pessoas devem passar pelo local do acidente. Apenas um pequeno número de pessoas da comunidade local e da Japan Airlines participam das homenagens. Às 18h56, exato momento da queda, é feito um minuto de silêncio.

Nas instalações da Japan Airlines localizada no Aeroporto de Haneda, de onde o avião partiu no dia 12, 35 anos atrás, os funcionários fazem as homenagens com um minuto de silêncio.

De acordo com a NHK, os familiares enlutados estão envelhecendo e alguns parentes decidiram não fazer a caminhada anual por causa do coronavírus. Encontrar maneiras de passar as memórias e lições da tragédia para as gerações futuras é um desafio.