seg. nov 28th, 2022

O governo planeja iniciar uma contenciosa iniciativa de viagem na próxima semana, conforme planejado, apesar de um ressurgimento de novos casos de coronavírus, excluindo Tóquio, a mais atingida, da campanha, disse o ministro do Turismo na quinta-feira.

Viagens de residentes de Tóquio e viagens de e para a capital não são elegíveis para o programa de subsídios do governo, que começará na quarta-feira em uma tentativa de estimular as viagens domésticas, disse o ministro do Turismo, Kazuyoshi Akaba.

“Começaremos a campanha, pois pedimos à indústria de hospedagem e aos viajantes que tomem medidas para evitar a propagação do vírus” nas 46 prefeituras restantes, disse Akaba a repórteres.

O governo planejava subsidiar taxas de acomodação e transporte em todo o país sob a Campanha Go To Travel para ajudar a rejuvenescer a economia atingida pelo vírus, estimulando o turismo.

Mas tem enfrentado pedidos cada vez maiores de revisão do programa, devido à crescente preocupação de que a campanha de promoção de viagens possa aumentar o ressurgimento das infecções por vírus no Japão.

O número de novas infecções por coronavírus no Japão aumentou em 454, a maior desde que um estado de emergência foi elevado no final de maio, para 22.982 na quarta-feira, dia em que Tóquio elevou seu alerta de infecção ao nível mais alto.

Como Tóquio continua sendo a área mais atingida, com seus casos de vírus respondendo por cerca de um terço da contagem nacional, a capital registrou um único dia registro de 286 novos casos na quinta-feira, para 8.640.

No mesmo dia, mais de 600 novos casos de coronavírus em todo o país foram registrados pela primeira vez desde 11 de abril, elevando o total para cerca de 23.500, excluindo cerca de 700 do Diamond Princess, o navio de cruzeiro que estava em quarentena em Yokohama em fevereiro.

O governador de Tóquio, Yuriko Koike, pediu aos moradores que evitem viagens não essenciais a outras prefeituras.

“O governo precisa explicar (sua decisão) ao público, incluindo os residentes de Tóquio”, disse ela a repórteres.

A campanha estava inicialmente prevista para começar em agosto, antes das férias do Japão em Obon, no meio do mês. Mas foi antecipado para começar antes de um fim de semana prolongado de quatro dias, a partir de 23 de julho.

O governo planeja inicialmente oferecer descontos no valor de 35% dos custos totais de um turista, com outros 15% cobertos por cupons a serem emitidos após setembro para alimentação, compras e outras atividades de viagem.

Resta ver a eficácia da exclusão de Tóquio da campanha como um passo para impedir a propagação do vírus, já que alguns viajantes podem ficar nos arredores de Tóquio enquanto fazem excursões pela cidade.

Os partidos de oposição e os governos locais instaram o governo central a adiar a iniciativa ou iniciá-la em áreas limitadas, enquanto algumas regiões estão sofrendo com as recentes chuvas torrenciais.

Yukio Edano, que dirige o principal partido Democrata Constitucional do Japão, disse que não é o momento certo para promover o turismo.

“Precisamos parar e repensar”, disse ele.

Mais da metade, ou 26, das 47 prefeituras japonesas acreditam que a campanha deveria se restringir inicialmente a certas áreas, mostrou uma pesquisa da Kyodo News na quinta-feira.

“O sucesso em conter o vírus para o qual as áreas regionais trabalharam tanto pode ser desfeito rapidamente”, disse o governador de Ehime, Tokihiro Nakamura.

O governador de Shimane, Tatsuya Maruyama, disse que também se opõe à promoção de viagens em todo o país. O número de novas infecções permanece relativamente baixo em Ehime e Shimane, com 82 e 25 casos na quarta-feira.