qui. dez 1st, 2022

Tokyo – Um grupo de professores no Japão enviou uma petição ao Ministério da Educação nesta segunda-feira (15), exigindo que os critérios “discriminatórios” sejam descartados para que estudantes estrangeiros sejam elegíveis para receber dinheiro para amenizar as dificuldades financeiras em meio à pandemia de coronavírus.

A petição foi lançada por quase 40 professores depois que o governo decidiu não tratar igualmente os estudantes estrangeiros e japoneses durante o programa de apoio.

Para que os estrangeiros recebam até 200.000 ienes (US $ 1.900), o ministério exige que eles permaneçam entre os 30% principais dos estudantes.

“Eu acredito que é importante para aqueles que trabalham nas universidades fazerem um apelo para que não haja discriminação”, disse Maya Hamada, professora da Universidade de Kobe, que liderou a campanha de assinaturas on-line pedindo apoio a todos os estudantes com dificuldades financeiras, independentemente de nacionalidade.

“Em um período difícil, por que apenas estudantes estrangeiros são separados por seus resultados acadêmicos e recebem tratamento discriminatório diferente dos estudantes japoneses?” disse a petição, que recebeu 1.701 assinaturas nas duas semanas até 9 de junho.

“Estamos preocupados com o fato de a medida fazer com que os estudantes que desejam estudar no Japão sintam que o país considera os direitos humanos de estrangeiros com leviandade e os discrimina”, afirmou.

Sob o programa de apoio, dos cerca de 3,70 milhões de estudantes que frequentam universidades, faculdades e outras instituições de ensino, 430.000, representando pouco mais de 10% do total, são elegíveis para receber as apostilas.

Além das condições impostas aos estudantes japoneses, os estudantes estrangeiros devem ter atingido uma média de notas de 2.30 ou superior no ano letivo anterior, equivalente aos 25% a 30% dos estudantes, de acordo com o ministério.

“Com muitos estudantes estrangeiros retornando aos seus países de origem, estabelecemos uma condição para limitar as apostilas a talentos promissores que provavelmente contribuirão para o Japão no futuro”, disse o ministério no mês passado ao explicar a política.

A condição mais difícil gerou críticas porque muitos estudantes do exterior, como seus colegas japoneses, estão enfrentando dificuldades para pagar as mensalidades e os custos de vida.

O ministro da Educação, Koichi Hagiuda, disse que aqueles que não atendem aos critérios ainda podem ser elegíveis para as apostilas, já que o governo deixou a triagem de estudantes qualificados para cada instituição.

Mas Hamada, da Universidade de Kobe, disse que muitas instituições provavelmente cumprirão os critérios de qualquer maneira e isso terá um efeito desfavorável nos locais de ensino.

Alguns presidentes de universidades disseram que selecionariam os destinatários por conta própria, sem levar em consideração os critérios.

Yoshiaki Terumichi, presidente da Universidade Sophia, em Tóquio, questionou os critérios, já que o governo promove a aceitação de estudantes estrangeiros em meio à baixa taxa de natalidade e envelhecimento da população japonesa.

“É difícil entender que tipo de mensagem (o governo) está transmitindo”, disse Terumichi, vice-presidente da Associação Japonesa de Universidades e Faculdades Privadas, a repórteres no início deste mês.

O Japão alcançou sua meta de aceitar 300.000 estudantes do exterior no final de 2019, encerrado em março. Na Universidade Sophia, o número de estudantes internacionais totalizou 2.718 no ano fiscal de 2018, dobrando em relação ao ano fiscal de 2013.

Terumichi disse que a universidade não fará distinção entre estudantes estrangeiros e estudantes japoneses, acrescentando que ele quer que o governo preste muita atenção a eles, implementando medidas especiais para eles “de maneira visível”.

Essa visão também é defendida pelo presidente da Universidade de Artes da cidade de Kyoto, Tamame Akamatsu, que disse em uma mensagem apresentada em seu site que apoiará os estudantes que se inscreverem no programa de distribuição de dinheiro, independentemente de serem japoneses ou estrangeiros.

“Estudantes estrangeiros são pessoas importantes, que nos permitem aprender sobre a importância da diversidade”, disse Akamatsu. Dos cerca de 1.000 estudantes que estudam na universidade de artes, cerca de 60 são do exterior.

Como pintora, Akamatu disse que não era uma excelente aluna durante seus dias de universidade e que os critérios “não deveriam ser um obstáculo para o apoio”.