sáb. jun 25th, 2022
Faça seu cadastro e participe!

Osaka – As farmacêuticas japonesas estão acelerando seu desenvolvimento de vacinas para o novo coronavírus, mesmo que rivais estrangeiros pareçam liderar a corrida global, com o governo pressionando esforços locais para garantir medicamentos estáveis ​​para o país.

Segundo a OMS (Organização Mudial da Saúde), atualmente, cerca de 125 vacinas estão sendo desenvolvidas globalmente, incluindo 10 em testes em humanos realizados no dia 27 de maio.  Mas, dado o aumento esperado na demanda, o governo japonês está preocupado com o fornecimento das vacinas estrangeiras serem limitadas e não estarem amplamente disponíveis para as pessoas no Japão.

“Em termos da necessidade de garantir o volume necessário, uma vacina produzida domesticamente por uma empresa japonesa é a melhor”, disse um funcionário do Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar.

O governo japonês decidiu facilitar a fabricação em larga escala de vacinas contra o coronavírus, lançando um programa de subsídios para produtores, disseram fontes do governo no final de maio. Ele espera disponibilizar vacinas para as pessoas logo após serem consideradas adequadas para uso, disseram eles.

A Anges Inc., uma startup biofarmacêutica japonesa criada por um professor da Universidade de Osaka, disse que iniciará testes clínicos de sua vacina de DNA, fabricada pela Takara Bio Inc. já em julho, com o objetivo de administrá-la a seres humanos por volta de março de 2021.

A Shionogi & Co. pretende lançar uma vacina de proteína recombinante para o novo coronavírus, possivelmente no outono do próximo ano, enquanto se prepara para iniciar os ensaios clínicos até o final deste ano. Ele pretende produzir doses de vacina suficientes para 10 milhões de pessoas a partir de janeiro de 2021.

A Medicago Inc., uma unidade canadense da Mitsubishi Tanabe Pharma Corp., confirmou a eficácia de uma vacina derivada de plantas durante testes em animais e procura fornecê-la no Canadá em 2022 após a realização de testes clínicos. A empresa considerará exportá-lo para o Japão.

A KM Biologics Co., com sede em Kumamoto, uma empresa do grupo Meiji Holdings Co., está desenvolvendo uma vacina inativada sem um patógeno vivo e está planejando iniciar testes clínicos na próxima primavera ou mais tarde.

Ela planeja realizar testes em animais com a Universidade de Tóquio e o Instituto Nacional de Doenças Infecciosas, com o objetivo de concluí-lo até março do próximo ano.

A KM Biologics também disse que está disposta a abrir suas instalações, uma das maiores bases de fabricação do país que pode produzir suficiente vacina contra influenza para 57 milhões de pessoas em seis meses, a outras empresas se conseguirem desenvolver uma vacina contra o coronavírus.

A ID Pharma Co., com sede em Tóquio, é outra empresa nacional que promove a pesquisa de vacinas em cooperação com o Instituto Nacional de Doenças Infecciosas.

À medida que a corrida internacional se intensifica, a gigante farmacêutica britânica AstraZeneca Plc, que recebeu mais de US $ 1 bilhão em apoio ao desenvolvimento de vacinas dos Estados Unidos, disse que tem capacidade para fornecer uma vacina – atualmente em desenvolvimento na Universidade de Oxford – a partir de setembro, se os ensaios clínicos forem bem-sucedidos.

A empresa de biotecnologia dos EUA Moderna Inc. também relatou resultados clínicos intermediários positivos para sua candidata a vacina e planeja iniciar um teste clínico em larga escala em julho.

Outros grandes fabricantes de medicamentos que buscam vacinas contra o coronavírus incluem a Johnson & Johnson Services Inc. e a chinesa CanSino Biologics Inc.

Mas Yoshihiro Kawaoka, professor do Instituto de Ciências Médicas da Universidade de Tóquio, disse: “Desenvolver uma vacina e disponibilizá-la amplamente são coisas completamente diferentes”.

“Não presumo que esteja pronto neste inverno. Mesmo que tudo corra bem, será no outono do próximo ano o mais cedo” que uma vacina será entregue ao público, disse Kawaoka.

Quanto aos medicamentos terapêuticos para COVID-19, a doença respiratória causada pelo novo coronavírus, vários produtores estão realizando estudos para redirecionar os tratamentos existentes, incluindo o medicamento anti-influenza Avigan, também conhecido como favipiravir, desenvolvido por um braço químico da Fujifilm Holdings Corp.

A Ono Pharmaceutical Co. também disse que pretende realizar testes clínicos em seu medicamento para pancreatite crônica Foipan, também conhecido como camostat, para possível tratamento com COVID-19.

A Takeda Pharmaceutical Co., a Nippon Shinyaku Co. e a PeptiDream Inc. também apresentaram planos para desenvolver um novo medicamento terapêutico para o COVID-19.